—  Bê-a-bá dos Investimentos
Como investir melhor que os "gênios" de Wall Street?

Existem duas formas básicas de gestão no mercado financeiro: a gestão passiva e a gestão ativa.

A gestão passiva defende que, na hora de investir, é mais eficiente montar um portfólio diversificado e bem balanceado do que ficar tentando acertar os momentos de comprar e vender ativos.

Por sua vez, a gestão ativa, justamente, tenta adivinhar os melhores momentos de comprar e vender ativos, com base em diversos tipos de análises, como análise dos números das empresas, da economia, dos gráficos, análises estatísticas, lunares, par ou ímpar e por aí vai!

A gestão ativa é a mais defendida pela indústria. É ela que gera enormes corretagens para as corretoras e grandes bônus para gestores.

Além disso, a gestão ativa vende cursos e mais cursos dos gurus que prometem ensinar como ficar milionário da noite para o dia.

E ela realmente é mais fácil de ser vendida. Afinal, quem não quer o Fundo de Investimentos do gestor ninja, que tem 50 telas para analisar o mercado, que acompanha notícias em “real time” e que está cercado de outros gênios recém-saídos das melhores universidades?

É óbvio que estes gestores e sua equipe sabem para aonde os mercados estão indo e, por isso, atuam antes de todos para tirar o melhor proveito.

Correto?

Errado!

Em média, 80% dos gênios de Wall Street não conseguem entregar o alfa que eles tanto buscam!

Eles simplesmente não conseguem superar o índice que eles se propõem a superar.

E os 20% que conseguem, estatisticamente, conseguem fazer isso em um ano e não conseguem no ano seguinte.

Resumo…

…transformar Wall Street em um grande estacionamento é mais eficiente do que manter os gestores tentando encontrar as melhores oportunidades! :/

Então, qual a forma mais eficiente de investir?

A gestão passiva.

Se o mercado sozinho é tão eficiente a ponto de derrotar a maior parte dos gestores, o melhor a fazer é buscar uma estratégia de gestão que não quer “ganhar” do mercado, mas acompanhar o movimento dele.

Essa inclusive é a dica do maior investidor de todos os tempos, Warren Buffett, que, em 2014, deu o seguinte conselho: “Colocar 10% do dinheiro em títulos do tesouro americano e 90% em um ETF que replique o movimento do S&P 500.”

O modelo mais utilizado na hora de montar um portfólio baseado em gestão passiva é a Teoria Moderna dos Portfólios, que rendeu o prêmio Nobel de economia para Harry Max Markowitz.

A Teoria estabelece que o modelo ideal é uma estratégia baseada em asset allocation, escolhendo os produtos e pesos ideais para um portfólio de investimentos e levando em consideração que o risco e o retorno de um investimento são variáveis que devem ser avaliadas juntas.

Normalmente, para refinar essa estratégia, usa-se o modelo de Black-Litterman, de Fischer Black e Robert Litterman.

Tá, mas como?

A primeira definição na construção do seu portfólio será a quantidade de cada classe de ativos: Renda Fixa e Ações.

Por exemplo: para uma pessoa de perfil moderado-arrojado e que vai investir por um prazo superior a 7 anos, um asset allocation interessante tem 80% dos investimentos em Renda Fixa e 20% em Ações.

A segunda tarefa é definir, dentro de cada classe, os tipos de produtos.

Por exemplo: um portfólio de prazo mais curto precisa carregar mais ativos pós-fixados de Renda Fixa, enquanto um portfólio de prazo mais longo pode carregar mais ativos pré-fixados de Renda Fixa.

E depois…

É só investir e pensar que você estará trabalhando junto com o mercado!

fale com warren

(Photo By Rick Tap)