—  Objetivos e Sonhos
É possível ter R$ 1 milhão?

Como ser, literalmente, um milionário? Muita gente acredita que ter um milhão de reais é algo fora da sua realidade, mas não precisa ser. A resposta simplificada de como chegar lá é baseada num tripé: tempo, disciplina e investir bem.

Encontre a sua motivação

A primeira coisa que você precisa fazer é se perguntar: por que eu realmente quero ter um milhão de reais? Muitas pessoas acreditam que depois de chegarem numa meta financeira, aí sim elas poderão ser felizes. Se este for seu plano, talvez seja melhor repensar.

Quando você não consegue ser feliz no caminho, é muito difícil manter o foco até o fim e ter a disciplina que acumular R$ 1 milhão requer. Tente incluir alguém no seu planejamento. Metas que incluem fazer outras pessoas felizes tendem a ser mais fáceis de serem atingidas, um puxa o outro, como aquela ida à academia!

Tente transformar este objetivo em algo tangível, como: me aposentar com 45 anos, comprar uma casa na montanha, comprar um barco para viajar o mundo, conhecer 100 países, etc. Quando transformamos um número em uma experiência e colocamos um nome e data, isto começa a ser um projeto. Ajuda bastante também guardar uma foto que represente o seu objetivo. Deixe-a colada na geladeira ou, ainda melhor, na carteira. Assim, toda vez que você estiver caindo na tentação de comprar algo por impulso, vai se lembrar do seu objetivo maior.

Faça as contas

Acumular um milhão, quando mal consigo guardar R$ 1000 por mês, parece querer construir a muralha da China sozinho com um carrinho de mão e assentando um tijolo por vez. Talvez seja, mas ainda assim é possível. Saber quanto você vai ter que acumular, por quanto tempo é o começo de tudo. Abaixo alguns exemplos de como conseguir acumular R$ 1 milhão:

R$ 300 mensais: 30 anos
R$ 500 mensais: 26 anos
R$ 1500 mensais: 17 anos
R$ 50.000 inicialmente e R$ 500 mensais: 10 anos

Os dados para se chegar a um milhão estão baseados em Fundos que contemplam investimentos em 66% renda fixa e 34% ações.

Comece a poupar

Este ponto parece um conselho como aqueles: “coma melhor”, “faça exercícios”, etc. Todos sabemos que temos que fazer, mas é incrível como é difícil. Existem livros e textos ótimos sobre como poupar, e talvez esta seja a parte mais difícil do plano. Ela é a briga do seu “eu presente” com seu “eu futuro”. Se você não se acha disciplinado, entenda que não é só você, mas também a torcida do Flamengo e a população de Gremlins.

Realmente não é tarefa fácil. Tanto que pesquisadores estudam o motivo de sermos assim. O estudo mais famoso (e fofo) é o que tenta entender o que acontece com crianças que conseguem adiar prazeres (quer ganhar um doce agora, ou esperar 10 min para ganhar dois – aqui o link para o experimento).

A boa notícia é que só depende de você. A péssima notícia é que só depende de você. Comece devagar, simplifique suas contas, não se cobre muito quando falhar e mantenha o ritmo. Já ouviu o ditado “de grão em grão a galinha enche o papo”? Pois é.

Invista bem

“Ah, mas investir bem é muito complicado!”, é a frase que mais ouvimos nestes anos de estrada. “Ah, mas não sei em quem confiar” talvez seja a segunda. Antes de entrarmos no tema, para ficarmos na mesma página: investir na poupança não é investir bem e você provavelmente já sabe disso. O difícil é mudar.

Estamos em um momento no Brasil em que é possível investir bem com baixíssimo risco.

Algumas alternativas à poupança:

1) Tesouro direto: tem como comprar direto na página do governo. O mais seguro dos investimentos. Só dá problema se o país quebrar. É preciso escolher entre pré-fixado e pós-fixado e a melhor opção muda com o tempo.

2) CDB: paga boas taxas de juros, mas é preciso tomar muito cuidado com a carência (quanto tempo seu dinheiro precisa ficar bloqueado antes que você possa sacar). É preciso garimpar um pouco para achar boas taxas. Geralmente os CDB’s oferecidos pelo banco são práticos, mas têm taxas muito ruins.

3) Fundos: um administrador profissional cuidando de seu dinheiro. No entanto, pode ser difícil escolher entre tantas opções. É preciso atentar-se para o conflito de interesses (o assessor de investimentos pode recomendar algo que é melhor para ele, não para você).

4) Investir por objetivos: algumas opções americanas e agora o Warren no Brasil, permitem você criar um objetivo (neste caso seria “chegar ao primeiro milhão”) e investir nele. A plataforma vai então avaliar que tipo de investidor você é, e vai recomendar a melhor forma de investir, de maneira descomplicada e com total transparência (ficou com cara de jabá, mas foi difícil evitar, porque realmente acreditamos nisso).

Curta a jornada

Não adianta nada se você não se divertir ao longo do caminho. Guardar dinheiro, seja acumular um milhão ou outra quantia, não deve ser mais um motivo para trazer ansiedade para sua vida. Ter um plano ajuda muito, e se permita errar de vez em quando. E o mais importante:** o melhor dia para começar é hoje**! Se você leu até aqui, guarde mais cinco minutos e crie um objetivo no Warren. Leva (quase) menos tempo do que ler esse post.