Aula 6: Organizando seus investimentos

Quem planta investimento, colhe objetivos!

Se ficou com preguiça de assistir o vídeo, não tem problema! Entregamos o conteúdo mastigadinho por escrito também!

Carmen

Carmen

Autora do Papo de Grana

Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp

Rufem os tambores, que chegou a hora de falarmos sobre investimentos!
Agora que você já tá ligado como cuidar melhor do seu dinheiro e distribuir seus gastos, vamos organizar os seus objetivos pessoais de curto e longo prazo. Ah, e aquela coisa que você já tá ligado: se perdeu a última aula, confere lá internallink.com.br. Vamos começar pelo começo.
É importante ter noção que, no momento em que você tem uma planilha que mostra seus ganhos e gastos, isso já traz um panorama que ajuda a entender como você pode melhorar sua vida. Quando você consegue diminuir um pouco os gastos (como aprendemos no último video), já começa a sobrar uma graninha pra você alocar onde mais importa: seus objetivos. Então, como aprendemos também, o primeiro destino de parte da sua renda sempre será o seu investimento! Ou investimos, no plural, dependendo do quão hardcore cê quer ir. Nessas horas é que entra um bichinho de 7 cabeças, que é a falta de conhecimento do brasileiro pra investir. A gente não tem essa cultura e, portanto, não é um hábito no nosso país. Sabe qual o padrão do brasileiro comum? Se colocar na mão de grandes bancos (por achar mais seguro) e acabar com produtos e taxas muito ruins, impostas por esses bancos. Tipo alguns títulos de capitalizações e previdências que, muitas vezes, não são o que o seu gerente de banco tá dizendo. Dói dizer isso, pois sabemos que não são todos gerentes e bancos são assim, mas, ao mesmo tempo, não dá pra negar que eles querem e precisam bater metas. Sabe o que isso significa? Que muito dos produtos indicados a você não são pensados nas SUAS necessidades, e sim nessas tais metas que têm de ser batidas.

Investir em poupança?? Me poupe!

Cara, olha que louco: a poupança, hoje, paga +- 0,4%, ou seja, é um dos piores investimentos que você pode fazer. A parte louca, no caso, é que o número de pessoas que têm conta poupança representa 85% (62,6 milhões de contas) dos investidores brasileiros (!!!!!). Um minuto de silêncio para choro coletivo. Tá, até entendo que o brasileiro curte poupança por 02 motivos: porque é seguro – em teoria, não vai quebrar – e porque não paga imposto de renda – então todo rendimento é limpo. Mas mas masss se você faz as conta$$$, consegue facilmente concluir que suas taxas de ganho são muuuito melhores em outros investimentos. Chegaremos lá.

Primeiro, vamos conhecer um negócio chamado Fundo de Reserva. Seu fundo de reserva é aquele dinheiro que você tem para uma eventual emergência. Aquela segurança que você quer ter no momento que for demitido ou que precisar ser internado por alguma doença (bate na madeira). Dói pensar essas coisas, mas pode acontecer, e com certeza vai doer mais se você não se preparar. Portanto, o fundo precisa ser um dinheiro que você tenha a opção de tirar rápido. Se você parar pra analisar, verá que alguns dos investimentos mais sofisticados funcionam com D30 (30 Dias), D60 (60 Dias), ou até D180 (180 dias). O que isso significa? O prazo que o banco ou a instituição se propõe a te entregar o dinheiro. Esse tipo de investimento não conta como um fundo de emergência. É necessário ter uma grana guardada de fácil acesso, pra segurar uma barra que possa surgir. Alguns consultores recomendam que esse seu fundo de emergência seja o equivalente a 6 meses do seu salário. Ah, e não vai pensando que esse vai ser um dinheiro parado! Ele vai estar rendendo, claro, porém em algum investimento imediato – que vai te permitir pegar a grana quando bem entender. Agora vamos pensar onde colocar esse seu investimento imediato. Sabemos que a poupança rende +- 0,4% ao mês, livre de IR, certo? O que você talvez não saiba é que existe um negócio maravilhoso que pouquíssima gente tá ligada, ou sequer faz uso. Esse negócio se chama tesouro direto!

Basicamente, Tesouro Direto constitui o ato de emprestar dinheiro pro governo e receber um juros que é melhor do que a poupança. E sim, é melhor mesmo depois de descontar dos 15% do Imposto de Renda (tchum tchá). O título do tesouro acaba pagando mais do que a poupança, com a mesma segurança! Ou, na real, talvez até mais segurança, porque pra você não receber esse dinheiro do Governo, o Brasil teria que quebrar. Sendo realista? A poupança provavelmente quebraria antes do Tesouro, que são os títulos do governo. Em resumo, o Tesouro Direto é também um investimento muito seguro, muito conservador e que traz rendimentos melhores, mais atraentes do que a poupança. Outras opções de produtos para seu fundo de reserva são os CDBS! Você já deve ter ouvido falar em CDBs antes, pois eles são oferecidos por bancos grandes e bancos pequenos – normalmente, os pequenos oferecem taxas melhores. Pode ficar tranquilo que os CDBs também são investimentos imediatos – tira quando quer.

Liberdade financeira é construção diária, bb!

Tá, agora que você já tem seu curtíssimo prazo resolvido para uma emergência, vamos pensar num segundo objetivo, o de longo prazo. Esse será o pensamento para o início de um investimento que pensa na sua independência e liberdade financeira. A famigerada aposentadoria, se você quiser chamar assim. Você lá, tranquilão, podendo aproveitar a vida como bem entender, com sua graninha rendendo. Que baita, ein? Como já falamos, ao contrário do fundo de reserva, a aposentadoria é um objetivo de loooongo prazo. Se você tem até 18 anos, é longuíssimo prazo. Ótimo. Quanto antes começar a plantar, mais cedo e melhor você poderá colher! Agora, vamos às opções de “como fazer isso”. É verdade que muitas pessoas investem no INSS, na capacidade de se aposentar pelo governo e tal. Porém, sendo realistas, esse é um objetivo cada vez mais furado, porque, bom…a previdência tá meio que quebrada. Em outras palavras, é arriscado depender daquilo que o governo tem que te pagar lá na frente – ainda mais rendendo bem pouquinho por mês.

Também existe a possibilidade da previdência privada por empresas ou bancos, que pode valer a pena em alguns casos. Tipo, se você tá numa empresa que dá 100% daquilo que você contribui e ainda por cima desconta essa contribuição direto da folha, te dando a vantagem contábil de não pagar Imposto de Renda. Então, pergunte pro seu empregador como funciona o plano de previdência da empresa. Se funcionar dessa forma que exemplificamos, aí vale a pena! Mas atenção: fique de olho, porque na maioria das vezes esses planos de previdência privada têm mil e uma taxas (taxa pra botar a grana, pra tirar a grana, etc). Então é sempre bom desconfiar, ainda mais se forem previdências oferecidas por grandes bancos.


Como o melhor fica por último, deixamos a terceira opção de investimento para esse momento: ~~Rufem os tambores novamente~~
A carteira de longo prazo! Ah, essa sim é uma das formas mais interessantes de construir seu objetivo pro futuro. Essa carteira é mágica porque ela vai aproveitar uma série de produtos que lá na frente vão ser muito melhores do que depender do governo, do que depender ou da previdência do empregador e do banco. Se você tiver disciplina, então é só de disciplina que você vai depender pra construir uma aposentadoria feliz. E pode ficar tranquilo, que é muito mais fácil do que você tá imaginando! Quer ver? Então vem, que a gente vai te mostrar na próxima aula! Foooi <3

Compartilhe esta aula com seus amigos!

Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp